Curitiba realiza 11ª edição da Zombie Walk: o Carnaval dos foliões mortos-vivos

Publicidade

Tem de branca de neve a múmia. De pirata e palhaço a freira. Há todos os tipos de diabos imagináveis. E nem mesmo os bebês e os cachorrinhos se salvam. A variedade de fantasias é grande… O que não muda é a carinha – sinistra, é claro – de contentamento de todos na Zombie Walk, a já tradicional marcha de zumbis de Curitiba (PR). O evento acontece todos os anos no domingo de Carnaval. Sua 11ª edição na folia, em 2020, cai no dia 23 de fevereiro.

Flávia Nogueira, coordenadora da Zombie Walk há 11 anos, conta que a primeira edição, de 2007, foi realizada pelo amigo Bruno Hoffmann durante o Dia dos Mortos (2 de novembro). Apenas dez pessoas compareceram ao evento.

Em 2009, já sob a coordenação de Flávia e amigos, eles resolveram migrar a data do desfile para o domingo de Carnaval. A ideia era aproveitar a estrutura e o público de outro evento conhecido da temporada. “Aqui, em Curitiba, a gente tem um movimento muito forte de rock. E tinha um amigo nosso que fazia um evento de Carnaval muito conhecido: vem gente do mundo inteiro”, lembra.

Depois dessa mudança, o desfile começou a crescer. A Zombie Walk hoje integra o calendário oficial de eventos da Prefeitura de Curitiba, e só no ano passado, cerca de 30 mil pessoas participaram da festividade. “A Zombie Walk começou primeiro como um movimento mais underground, de quem gostava de rock e filmes de terror e do pessoal do teatro também. E depois, aconteceu um negócio bem legal: nossos amigos tinham filhos e achavam o evento seguro. Iam e los evavam juntos. Às vezes as amigas estavam grávidas, aí no ano seguinte levavam o bebezinho e foi crescendo assim”, diz a coordenadora.

Percurso
Tradicionalmente, a Zombie Walk começa na praça Osório, apelidada de Boca Maldita, e segue pelo calçadão até a Universidade Federal do Paraná, na rua XV de Novembro, na área central de Curitiba. São 5 km de percurso no total. Depois de caminhar, ou melhor, “performar” pelas ruas curitibanas, o público pode aproveitar shows de bandas autorais.

Na programação estão Expresso 42, Médicos de Cuba, The Secret Society e Relespública. Haverá ainda uma apresentação icônica de dança de “Thriller”, do Michael Jackson, pelos alunos da escola Disco Dance Company e outra de passinho dos anos 80. Tudo, claro, com pessoas caracterizadas como zumbis. Uma praça de alimentação com dez barracas de chopes artesanais e comidinhas também espera os esfomeados mortos-vivos.

O Hells Angels Motoclube – o mais antigo e maior clube de motos do mundo – acompanha toda marcha. Um time de futebol americano, o Guardian Saints, também é parceiro do projeto.

A primeira marcha

Terra de origem da Zombie Walk, Toronto abriga o evento (torontozombiewalk.ca) desde 2003, quando apenas seis pessoas saíram caracterizadas pelas ruas. Seguindo a iniciativa, cidades como Nova York e São Paulo também começaram a organizar seus próprios desfiles de mortos-vivos. Na capital paulista, a edição 2020 (zombiewalksp.com) está marcada para o dia 2/11.

Serviço

Zombie Walk CW
Domingo (23/2), às 11h. Da praça Osório, em Curitiba, à praça Santos Andrade. Gratuito. Inf.: facebook.com/ZWCWBoficial

Fonte: O Tempo