Xambrê

Publicidade

A presença do homem branco nesta região remonta à chegada dos padres jesuítas, no ano de 1610, período em que se dedicaram a evangelização dos índios que habitavam as matas e serras desta imensa região.

As “reduções” tiveram um fim trágico em 1628, quando os bandeirantes paulistas Antônio Raposo Tavares e Manoel Preto destruíram todos os povoados índio-espanhóis.

A partir daí a região parou muito tempo sem nenhuma movimentação. Somente no século XX é que se verificaria novamente a afluência de pessoas à região. As terras em que hoje se localiza o município de Xambrê foram adquiridas em 1950 pela Companhia Byington de Colonização Ltda., responsável pelo grande desenvolvimento desta região.

O sistema de venda de lotes, adotado pela Companhia Colonizadora, estabelecia terrenos de no máximo dez alqueires cada. Isto proporcionou uma espécie de “reforma agrária institucionalizada”, sendo que a proliferação de minifúndios proporcionou o rápido crescimento do lugar.

Até o ano de 1957, aproximadamente, o município de Xambrê, vivia quase que exclusivamente da pequena agropecuária. Todavia, com o correr dos anos, grandes pastagens foram sendo formadas e os criadores iniciaram a formação dos rebanhos. A agricultura tomou um extraordinário impulso, pois o município passou a constituir-se em um dos maiores produtores de cereais de todo o Estado, ao lado das grandes indústrias madeireiras que iniciaram em Xambrê o “Ciclo da Madeira” encontrando na Peroba, Cedro, Marfim, Imbuía, Jatobá, Canela e outras, a grande fonte de abastecimento para exportação.

A maior parte da ocupação das terras deste Município, deve-se à expansão dos cafezais, da época na frente agrícola que se iniciou no Norte Velho (Jacarezinho e Cornélio Procópio) do estado, estendendo – se ao Norte Novo (Londrina e Maringá), alcançando o extremo Noroeste do Paraná e o Norte Novíssimo (Xambrê, Umuarama e Paranavaí). Isso, graças à ação das companhias colonizadoras e ação governamental.

O café, que ocupava papel de destaque no desenvolvimento sócio-econômico do Município, marcado por grandes colheitas, teve sua maior safra no ano de 1962.

Em 1963, o Governo do Estado, incentiva a erradicação dos cafezais, pagando CR$ 1,00 (um cruzeiro) por pé arrancado. Devido à Crise Mundial e, não tendo a quem vender o produto, os armazéns ficaram abarrotados de café. Foi necessária a queima dos estoques apodrecidos nos celeiros, enquanto os pequenos produtores enterravam o produto da colheita.

A partir deste fato, deu-se incentivo à criação do gado leiteiro com o governo substituindo a raça Tucura pela Nelore para maior produção de leite.

Dicas

Prainha do Rio Xambrê

O rio Xambrê é um importante atrativo, tendo praia natural de água doce, com estrutura de churrasqueiras e lanchonete, um local agradável para pescaria e para passar o dia com a família. Tem ainda três balneários que atraem público regional: Lagoa Azul, Ipanema e Riacho Doce. A cachoeira do rio Pacaraí, mesmo não tendo infraestrutura turística é um local bastante atrativo com freqüência das pessoas da região.

Gruta Nossa Senhora Aparecida

A Gruta Localiza – se em uma praça próxima ao Ponto Atendimento Municipal. Além da Imagem de Nossa Senhora Aparecida, encontra-se também a imagem da Padroeira do Município, nossa Senhora do Carmo e de Santo Expedito.

Galeria de fotos

Publicidade

Datas comemorativas

  • Padroeira da cidade N. Sra. do Carmo: 16 de julho
  • Aniversário do Município26 de julho

Eventos

  • Cavalgada de São Sebastião janeiro
  • Festa de São Sebastião janeiro
  • Festa da Capela Nossa Senhora das Graças julho
  • Festa da Padroeira Nossa Senhora do Carmo julho
  • Expo Xambrê – Festa do Peão novembro
  • Rali Barcalhada rio Xambrênovembro