Nova pista do Aeroporto Afonso Pena vai permitir voos diretos para os EUA e Europa

Publicidade

Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, terá uma nova pista que vai permitir voos diretos para os Estados Unidos e para a Europa.

O prazo de implantação da nova pista será de cinco anos após o início do contrato de exploração do terminal, cuja licitação está prevista para o fim de 2020.

Ela será paralela à atual, com pelo menos 3 mil metros de extensão, e permitirá pousos e decolagens de voos para os Estados Unidos e países da Europa com aeronaves de grande porte (categoria 4E).

AEROPORTO AFONSO PENA VAI PERMITIR VOOS INTERNACIONAIS EM QUALQUER TURNO

A Secretaria Nacional de Aviação Civil decidiu incluir a obra no novo edital de concessão do aeroporto nesta segunda-feira (4), depois de articulação do Governo do Estado e dos setores industrial e empresarial do Paraná.

Com a nova pista, as aeronaves poderão operar no Aeroporto Afonso Pena em qualquer turno com a ajuda de sistema de pouso por instrumentos. Elas também poderão decolar com carga máxima de combustível, mesmo a 900 metros de altitude.

A concessão do Afonso Pena é parte de um planejamento logístico mais robusto, composto, ainda, pelo novo Anel de Integração, extensão das ferrovias e concessões portuárias.

“A nova pista permitirá conexões diretas com centros consumidores de produtos paranaenses e trampolim rápido dos empresários para o mercado asiático, grande importador da nossa cadeia de carnes e grãos”, afirmou Ratinho Junior. 

QUATRO AEROPORTOS DO PARANÁ ENGLOBAM ‘BLOCO SUL’ DE CONCESSÕES 

Bloco Sul da nova rodada de concessões de aeroportos administrados pelo governo federal tem valor de contrato estimado em R$ 8,9 bilhões e lance mínimo de R$ 516 milhões.

O conjunto engloba quatro aeroportos paranaenses:

  • Afonso Pena, em São José dos Pinhais;
  • Foz do Iguaçu;
  • Londrina;
  • Bacacheri, em Curitiba;

Além disso, engloba dois aeroportos catarinenses: Navegantes e Joinville; e três gaúchos: Pelotas, Uruguaiana e Bagé.

Pelo PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), o leilão deve ocorrer no 4º trimestre. A duração do contrato de concessão será de 30 anos.

Em 2020 serão leiloados 22 aeroportos em três blocos regionais definidos conforme a localização geográfica: Norte, Central e Sul.

Segundo as regras do edital, um mesmo proponente pode arrematar os três blocos e não haverá participação da Infraero.

A concessionária deverá ter em sua composição um operador aeroportuário com, no mínimo, 15% de participação societária e experiência de 1 um ano no processamento de pelo menos 1 milhão de passageiros para os blocos central e norte, e 5 milhões de passageiros para o bloco sul.

Fonte: Paraná Portal