OMT lança diretrizes globais para a reabertura do turismo

Publicidade

A Organização Mundial do Turismo (OMT) divulgou, na semana passada, um conjunto de diretrizes para ajudar o setor a retomar suas atividades de maneira segura e sustentável. O guia foi produzido em consulta com o Comitê Global de Crise do Turismo e tem como objetivo apoiar os governos e o setor privado a se recuperarem da crise, além de restaurar a confiança dos viajantes por meio de protocolos de segurança. O secretário executivo adjunto do Ministério do Turismo, Higino Brito Vieira, e o assessor internacional, Antonio Ricarte, participaram de encontro do Comitê Global de Crise da OMT, que resultou na aprovação de diretrizes globais para o relançamento do turismo.

O documento, que constata a redução de 60% a 80% no número de turistas internacionais em 2020 em decorrência da pandemia de COVID-19, traz orientações a respeito dos seguintes temas: gerenciamento de fronteiras seguro e contínuo (viagens aéreas, marítimas e terrestres); setor privado; viagem aérea segura; hospitalidade; operadores turísticos e agências de viagens; reuniões e eventos; atrações e parques temáticos; planejamento e gerenciamento de destino.

As diretrizes destacam a importância de restaurar a confiança dos viajantes por meio de protocolos de segurança e proteção projetados para reduzir riscos em cada etapa da cadeia de valor do turismo. Esses protocolos incluem medidas como aferição de temperatura, uso de máscaras, distanciamento físico, limpeza periódica de ambientes e superfícies, além de fornecimento de kits de higiene para viagens mais seguras. As instruções da OMT também destacam a oportunidade de criar novas experiências de turismo, promovendo o turismo doméstico por meio de produtos segmentados e mais individualizados, focados no ecoturismo, cultura, esporte, turismo rural e rotas locais.

O guia foi elaborado pela Organização Mundial do Turismo (OMT) em colaboração com os países membros do Comitê de Global Crise no Turismo da OMT, inclusive o Brasil; Organização Mundial da Saúde (OMS); Organização Internacional da Aviação Civil (OACI); a Organização Marítima Internacional (IMO); e o setor privado – os Membros Afiliados da OMT; o Conselho de Aeroportos Internacional (ACI); a Associação Internacional de Linhas de Cruzeiros (CLIA); a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA); e o Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC).

A OMT reforça que o documento poderá ser revisado sempre que surgirem novas orientações de saúde. Para o secretário-geral da organização, Zurab Pololikashvili, as novas diretrizes fornecem aos governos e às empresas um conjunto abrangente de medidas destinadas a ajudá-los a abrir o turismo novamente de maneira segura, integrada e responsável.

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, parabeniza a iniciativa da OMT e ressalta a importância de se unir esforços para criar soluções eficazes de recuperação do setor. “Este documento norteador é muito importante. Percebemos que as ações do MTur para a retomada estão alinhadas com a visão das Nações Unidas. Isso só nos dá mais forças para continuar com o nosso Plano de Retomada do Turismo”, destacou o ministro.

RETOMADA – O Ministério do Turismo vem desenvolvendo, desde o início da pandemia, ações para minimizar o impacto no setor e um plano para recuperar o turismo de forma segura. Neste sentido, o órgão criou a campanha “Não cancele, remarque!”, que busca proporcionar a manutenção de pacotes e serviços contratados e garantir a preservação de empregos. A Pasta também lançou o selo “Turista Protegido”, primeira etapa de um programa que criará protocolos de segurança sanitária e de boas práticas para cada um dos segmentos do setor.

O selo integra o Plano de Retomada do Turismo Brasileiro, coordenado pelo MTur, que busca minimizar efeitos da Covid-19 e preparar o setor para um retorno gradual. O órgão já trabalha uma série de ações para o pós-pandemia, articuladas em conjunto com os setores público e privado. Além de preparar uma campanha de estímulo a viagens domésticas, o órgão pretende estruturar o turismo rodoviário, a partir da integração com outros modais de transporte, facilitando a realização de roteiros integrados por viajantes.

Fonte: Ministério do Turismo