Pousadas rurais se adaptam para manter funcionamento e miram retomada, no Paraná

Publicidade

Pousadas e outros negócios do turismo rural no Paraná passaram por adaptações para conseguir manter o funcionamento em meio à pandemia do novo coronavírus.

Embora a procura esteja em retomada, os locais passaram a receber menos visitantes. A redução de hóspedes é uma das medidas para evitar os riscos de contágio da Covid-19.

Sossego do campo perto de casa

O veterinário Oswaldo Portella administra um hotel fazenda em uma propriedade com mais de 90% de vegetação nativa da Mata Atlântica, em Campina Grande do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba.

Para não encerrar as atividades, os chalés foram adaptados para receber uma família por vez. O local para refeições recebe apenas um grupo de hóspedes.

O local foi o destino escolhido por uma família de Piraquara, na mesma região, que buscava um local seguro para ficar. “Gosto de ira até à praia, mas para evitar aglomeração decidimos ficar no meio do mato. Também gostamos muito”, afirma o hóspede Aparecido Silvestre da Silva.

O local para refeições recebe apenas um grupo de hóspedes por vez no hotel fazenda na Região de Curitiba — Foto: RPC/Reprodução
O local para refeições recebe apenas um grupo de hóspedes por vez no hotel fazenda na Região de Curitiba — Foto: RPC/Reprodução

O proprietário do hotel fazenda também é presidente de uma entidade ligada ao setor. Segundo ele, a expectativa dos empresários é de melhora no movimento. No caso dele, já foram confirmadas reservas para todo o início de 2021.

Antes da pandemia, o setor turístico do Paraná era o segundo que mais crescia no país, segundo a Secretaria de Turismo. Era também o quarto estado com maior número de empregos em hospedagem, com cerca cerca de 19,4 mil vagas.

Delivery de produtos e retomada

Em Rolândia, no norte do Paraná, o sócio de uma pousada teve uma ideia que garantiu até 20% do orçamento anterior à pandemia com a venda de produtos feitos no local, como geleias, patês e compotas, por delivery.

O local ficou cerca de quatro meses sem receber hóspedes. “Deu um certo medo. É o teu ganha pão e de repente não pode mais atender pessoas”, diz. Em setembro, ele conta que voltou a respirar mais aliviado. A procura aumentou consideravelmente para os últimos meses do ano.

Pousadas rurais passaram a receber menos hóspedes para manter funcionamento — Foto: RPC/Reprodução
Pousadas rurais passaram a receber menos hóspedes para manter funcionamento — Foto: RPC/Reprodução

Tirar folga para trabalhar no campo

Em uma propriedade de Matelândia, no oeste do estado, a opção de turismo é a de experimentar o trabalho no campo. O forte do local é a produção de leite – cerca de 1,5 mil litros por dia. E lá, o visitante ajuda na ordenha.

Nem mesmo a criançada escapa das atividades. Elas ajudam a alimentar as ovelhas, patos, perus e galinhas. “Dei comidinha pro cavalo também”, conta Naiara da Rocha, de 6 anos.

Novos tempos

A propriedade também passou por adaptações para continuar a receber visitantes. “Protocolos com redução dos horários, redução dos visitantes. Nós fizemos toda essa escala, todo esse protocolo para oferecer a experiência para o visitante com segurança”, afirma a gerente Fabiane Stella.

 

Novos tempos
Em uma propriedade de Matelândia, no oeste do estado, a opção de turismo é a de experimentar o trabalho no campo — Foto: RPC/Reprodução