Saiba qual é a situação dos principais pontos turísticos do Paraná no momento

Publicidade

As pessoas estão cumprindo isolamento social e viagens pelo mundo todo acabaram sendo canceladas por conta do coronavírus. Aqui no Paraná, os principais pontos turísticos também sofrem as consequências. Há grande preocupação, já que lugares com grande visitação turística são potenciais perigos para a disseminação do vírus em cidades ainda não atingidas pela doença, então ainda que a situação não esteja tão assustadora no estado, muitos cuidados são necessários. Veja como está a situação atualmente.

Matinhos, Guaratuba e Pontal do Paraná
Surpreendentemente, o número de visitantes em Matinhos e Guaratuba havia aumentado, por conta das crianças fora da escola e muitas pessoas suspensas do trabalho. Porém, no dia 20 de março foi suspensa a entrada de turistas nos dois municípios. Ainda assim, o número continuou aumentando. Por isso, no dia 4 de abril, as prefeituras interditaram o acesso às praias, exemplo seguido por Pontal do Paraná. Quem for flagrado na praia pode receber uma multa entre mil e dois mil reais. Em Guaratuba, porém, a decisão foi derrubada pela justiça dez dias depois, fazendo com que as praias ficassem novamente cheias, principalmente no feriado do trabalhador.

Morretes e Antonina
Morretes e Antonina tomaram medidas de prevenção mais eficazes. Desde meados de abril, os dois municípios estabeleceram uma barreira sanitária na rodovia, controlando quem entra nas cidades com testes de temperatura.

Ilhas
As ilhas são mais fáceis de controlar. Desde o dia 21 de março os acessos a Ilha do Mel estão fechados para visitantes e os turistas que já estavam lá tiveram até o dia 23 do mesmo mês para deixar o local. Nenhuma medida específica foi tomada em relação à Superagui.

Foz do Iguaçu
O Parque Nacional do Iguaçu está fechado para visitas desde o dia 17 de março. A medida foi tomada alguns dias após o lado argentino do parque fechar as portas aos visitantes. Alguns funcionários continuam trabalhando. No Parque das Aves as consequências foram drásticas: sem o dinheiro da venda de entradas, a administração do parque demitiu 120 funcionários. Além da pandemia, a alta do dólar provocada pela crise econômica também atrai menos visitantes à cidade, já que prejudica as compras no Paraguai. De acordo com dados do site Guia55, o número de buscas por passagens para Foz diminuiu consideravelmente desde que a moeda americana começou a subir.

Unidades de conservação
As áreas de conservação natural do estado que possuíam controle de visitantes foram fechadas no dia 17 de março, em decreto assinado pelo governador. Isso incluiu diversos pontos turísticos: o Parque Estadual de Vila Velha, em Ponta Grossa, o Parque Estadual do Guartelá, em Tibagi, o Parque Estadual do Monge, na Lapa, e o Parque Estadual Mata dos Godoy, em Londrina. Não há previsão para a abertura dos parques para visitação.

Curitiba
A situação não é diferente na capital, onde os principais pontos turísticos também estão inativos. O Jardim Botânico, o Passeio Público e os demais bosques foram fechados pela prefeitura no dia 24 de março. No dia 16 do mesmo mês, o Museu Oscar Niemeyer fechou as portas, mas algumas de suas exposições podem ser visitadas virtualmente através do Google Arts&Culture.

Fonte: Bem Paraná